Roda de Jazz na Igreja da Penha atrai apreciadores do estilo musical

O evento é gratuito e conta com o apoio da Igreja de Nossa Senhora da Penha.

 

Por: Patrick Barbosa, AGO. 01, 2016

 

Nascido do blues com raízes nas comunidades afro-americanas de Nova Orleães, Chicago e Nova York, o Jazz chegou à Penha, Zona Norte, endereçado no maior cartão postal do Subúrbio da Leopoldina, a Basílica Santuário da Penha Rio.

A ideia surgiu em outubro de 2015, quando a convite da igreja o ‘Samba Nonsense’ fez o encerramento da Festa da Penha, disse Jefferson Plácido, compositor e vocalista do grupo. “Tive a ideia e levei até o Padre Thiago a possibilidade de ocupar com música aos domingos de manhã, com o som do Samba Nonsense e seus convidados” disse.

13900509_1181148575274753_121772197_n
Samba Nonsense na Festa da Penha.

O Samba Jazz nasceu em 1960, o grupo Samba Nonsense em 2013. “São músicos percorrendo caminhos soltos com uma formação musical libertária, sonoridade plural, dialogando com o Samba e suas inúmeras vertentes, norteados por uma harmonia livre, além de melodias inusitadas”, disse Rogério Melo, poeta da Zona Oeste. Eles garantem dialogar com as inúmeras vertentes do ritmo, conectando o improviso com harmonia.

Confira abaixo a entrevista realizada com Jefferson Plácido:

Por que o grupo escolheu esse nome?
Quando comecei esse projeto, estava lendo sobre Lewis Carroll, autor de Alice no País das Maravilhas e outros clássicos que figuram nessa literatura do fantástico, do místico. Mergulhei nessa ideia do descompasso do breque, do sonho, do destoante e parti para uma desconstrução do samba. Nós somos samba, mas um samba muito diferente. Pincelando o Jazz, buscando o Dub. E nessa desconstrução fomos nos levando ao “Absurdo Musical”, na referência de Ornette Colleman, Monk, Miles, Monsueto, Sinhô, Pixinguinha, Maurição do Império… Samba Nonsense é colagem de timbres, é partido alto, improviso, com espírito conectado, a fim de promover uma mistura peculiar de ritmos, instrumentos e gerar música aos nossos cérebros e pés. Música pra dançar e refletir…

A igreja da penha está envolvida no projeto?
Super envolvida na pessoa do Padre Thiago Sardinha, onde agradeço a disponibilidade, sobretudo.

O encontro acontecerá no alto da igreja?
No Alto da Igreja, no espaço de Convivência da Concha Acústica ou Coretos. Acho que vamos intercalar os momentos desta ação, hora um, hora outro.

Os idealizadores do projeto fazem parte do grupo Samba Nonsense?
Sim! Eu sou músico, compositor e produtor do Samba Nonsense. Acredito na linguagem comunicativa. “Do it yourself”, faça você mesmo… Assim seguimos ocupando com música os espaços do subúrbio.

13871808_1181148758608068_744167249_n
Arte: Samba Nonsense

Essa é a primeira edição da Roda de Jazz. Estarão presentes no evento Roberto França, Henry Schroy, Rodrigo Maré, Ludi Um, Vandré Nascimento, Adalto Guerra e Claudio Vazcoelho. O grupo Samba Nonsense é composto por Jefferson Placido, na voz e composição, conduzindo a sonoridade com sua intuição carioca advinda da Zona Norte, Penha, Subúrbio da Leopoldina com Daniel Carlos Fernandes (Bateria), Daniel Bento (Baixo), Vitor Barros (Guitarra) e Bianca Miranda (Voz).

13866936_1181148671941410_1930236007_n
Foto divulgação.

A programação está agendada para esse domingo (07) às 11h. A entrada é gratuita e o endereço fica na Estrada da Penha, 19. Para confirmar presença no evento oficial na rede social Facebook, clique aqui.

Anúncios

Um comentário em “Roda de Jazz na Igreja da Penha atrai apreciadores do estilo musical

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s